Postagens populares

Seguidores

terça-feira, 10 de outubro de 2017

ARLEY, MEU AMOR

Arley, meu único amor
                                               Fortaleza, 29 de agosto de 2017
Sei que onde estás não poderá responder a esta carta, como fizestes há tantos anos  quando nos correspondíamos, na juventude de nossas vidas, durante sua ausência na viagem à Teresina.      
Naquele tempo nossas palavras eram de amor eterno, cheias de ternura tal quais as chuvas finas de uma madrugada feliz. Tantas cartas, palavras amorosas, frases românticas.
Ah! Se o tempo voltasse e pudéssemos resgatar os momentos de encontro, as pequenas discórdias, as alegria e promessas mil! Ah!  Se o tempo fosse como as nuvens que vão e vem de formas diferentes, enchendo nossos olhos de imaginação. Um tempo flexível, fundante, com frestas que permitissem o retorno de circunstâncias de amor! Ah! Se o tempo na sua infinitude permitisse os reencontros dos amantes! Ah! Se Deus permitisse tocá-lo, sentir seu rosto , suas mãos fortes e nossos espíritos se fundissem num só, conforme Sua Vontade.
Arley, meu amor. Sinto saudades das nossas conversas, das noites compartilhadas, dos olhares de cumplicidade e dos segredos que sempre nos uniram. Lembra-se meu amor das brincadeiras inocentes e dos jogos divertidos!! Recordo vivamente das noites onde nos fartávamos de alegria incontida nos abraços quentes em madrugadas frias.
Ah! Arley sinto um vazio no coração e sei que não será preenchido e tu continuarás sendo meu único amor, o amante ardoroso, o companheiro. Sei de nossos defeitos, das adversidades, dos nossos erros, mas tenho convicção de que vivemos momentos que jamais esqueceremos. Onde estiveres sei que tu lembrarás tua “Gina,  teu “Pingo”. Eu não esquecerei jamais de teu amor, de teu rosto e de nossa inteira entrega.
Depois te escreverei e vou manter acesa a esperança de que possa ler as cartas que te enviarei.
Beijos meu amor.



INDECIFRÁVEL AGONIA DE UMA ALMA AFLITA

INDECIFRÁVEL AGONIA DE UMA ALMA AFLITA
                                                                              Regina Barros Leal
Eis que estou a pensar nele
Saudades... Infindas saudades
Seu olhar perdido numa estranheza impenetrável
Suas mãos quentes presas ao peito doído
A dor estava presente na agudez do sofrimento
Tenta-se combatê-la. Mas permanece escondida nos recantos do ser
De novo a ruga na testa e o rosto encrespado denunciando desconforto
Assistir a esses momentos paralisou meu olhar e congelaram meu ser!
 Perdida nos recantos da perda iminente refugiava-me na fé que acalenta
Ah! São tantos os sentimentos que afloram na circunstância adversa
A alma sangrava e pedia perdão pela incapacidade de evitar a perda
Quantas horas perdidas! Diálogos truncados, palavras não ditas
Sufocada pela impotência mergulhava na escuridão da dor da ineficácia
A substancia que anestesia a dor , penso que  anestesiou a consciência
Breves sussurros... Rápidos olhares e o arfar do peito cada vez mais lento
Não se esquece os momentos tristes, as horas, os minutos e segundos da lenta partida
Choro e as lágrimas encharcam minhas vestes cinza de tristeza, nesse momento amargo
Não sossego meu coração no pensamento racional, na razoabilidade da frase “o tempo cura”
Somente Deus pode me dar paz e acalmar meu coração

Saudades do meu amor eternizado no coração e na memória afetiva!

sábado, 15 de abril de 2017

Minhas palavras iniciais

MINHAS PALAVRAS INICIAIS

                                                                   Regina Barros Leal

Talvez não saiba ao certo como tudo começou. Sei do dia em que fiz minha primeira crônica. Inquieta por não conseguir conciliar o sono, resolvi escrever. Veio quase de súbito a lembrança da cena no Shopping. As idéias fluíam impulsivamente. Foi inusitado! A emoção invadiu-me por haver descoberto a preciosidade da inédita circunstância.

Assim, iniciei minha travessia. Receosa, tímida, mas determinada a escrever. Descobri que posso deixar um legado, expressões de uma mulher que, em sua maturidade, decidiu enveredar por uma trilha que, a meu ver, não terá volta. Não sei o que virá depois, apenas constatei querer continuar. Despretensiosamente, penetro nesse universo subjetivo, deleitando-me com o que produzo,  ora resgatando lembranças, ora contando fatos visíveis ao  meu olhar atento ao cotidiano, em outras, a narrativa de emoções e experiências permeadas de valores sociais, éticos e humanos. Lembro-me também do diário de adolescente, das cartas escritas aos filhos, dos bilhetes apressados quando das viagens aligeiradas de trabalho, das poesias juvenis, das cartas de amor, enfim, sutis vestígios de tempos preciosos.

Sou uma mulher comum e, por sê-lo, relato fatos corriqueiros, cotidianos, recortados de subjetividade feminina na tentativa de expressar, com sutileza terna, a complexidade, acoplada à simplicidade de meu olhar sobre a vida, quer em tempos idos, quer em ocasiões presentes.
        
           Fagulhas Literárias não busca retratar toda a trama e a extensão dos significados humanos de minha existência. Contudo, desnuda fragmentos de uma trajetória ao longo desses anos, marcando pois, uma singularidade que se mistura aos outros eu que foram indispensáveis em minha história.
        

           Nesse percurso, revejo pessoas que se fizeram presentes, ambiências e espaços entrelaçados de amor, saudade, sonhos e projetos, bem como dor, ansiedade, desabafos e revelações costuradas com serenidade. 

Solidão

                                              Regina Barros Leal

O quarto escuro, as janelas fechadas e pouca ventilação. Deitado, ele se entregava ao desencanto da vontade perdida. A dor n'alma fragilizava suas forças. Lamentava-se... Um longo lamento... Falas silentes da solidão.
         Na mesa ao lado, um maço de cigarros e, no cinzeiro de um verde opaco, restos de cinzas. O cheiro era forte, não só da nicotina que impregnava o ambiente, mas o odor forte da desilusão, do desencanto de uma alma sofrida revelando um cenário marcado pelo sofrimento de quem desconheceu a ventura de ser feliz naquele instante.

         Palavras de estimulo, de compreensão, de paciência eram ditas, mas, João não conseguia entender. Mostrava-se atônito diante do próprio desengano e derramava o seu olhar perdido pelos cantos do quarto escuro.

Lamento


Lamento

                                               Regina Barros Leal

Lamento de uma alma ferida
Dor que se espalha, rastreando luz
Inquieto sentimento de um coração aflito
No tormento de quem foi esquecida
Mas, a certeza da gratidão
Um dia de luz
Quem sabe chegará para aliviar seu coração magoado
Resta o sabor da doce lembrança das noites compartilhadas
Invadidas por zelo e ternura
Encantam...inebriam e enternecem 
Faz esquecer o momento em que sangrou sua alma
E assim acreditou no amanhecer
Na esperança do devir, eu creio
Outros momentos se construirão no tempo
O tempo! Ah! A sabedoria do tempo!
 Mesmo que o lamento exista


Incógnita

Incógnita

                                                          Regina Barros Leal
                           

          Do alto do vale, sentado na relva, Marcos olhava o que se apresentava aos seus olhos sedentos de natureza. Extasiado, sorvia a paisagem embebendo-se da luminosidade da noite. Encantava-se com a plenitude que aquele momento lhe possibilitava. Ali ficaram horas até perceber que já era tarde.

          Enquanto descia, mergulhou em seus pensamentos! Quase que ouvindo a si mesmo se escutou, como que rasgando sua alma aflita. - Tenha paciência que você alcançará sua serenidade. Seja sábio e aprenderá a reconhecer seus alcances e limites. Era uma voz que parecia ser sua... mas tão distante! .... Continuou descendo e, aos montes, as idéias se lhe achegavam, agora numa velocidade que não lhe permitia discernir.... Sentiu ansiedade, sua respiração era ofegante, contrastando com o momento anterior. Percebeu as mãos trêmulas, as pernas cambaleantes e uma opressão forte no peito. Sentia que seu corpo se entregara ao desfalecimento e foi, lentamente, encostando-se a terra.... Sentiu-a fria... A areia molhada pelo orvalho da noite.... Percebeu-se como se estivesse despregando do corpo. Olhava como que distanciado de si mesmo e se viu. Parecia que sonhava e sentiu-se leve, flutuando e desfrutando de uma imensa paz interior. Olhou e, viu jatos de luz que explodiam como que festejando algo! Uma forte luz azul tragando o céu que se abrindo em fendas amarelas e verdes, coloria o imenso espaço. Flutuava e percebia que subia, e, cada vez mais se distanciava da imagem de si mesmo. De repente, sentiu um calor em suas mãos e um ar quente entrando por suas narinas. Mexeu-se e ouviu uma voz muito distante povoando sua mente.... Ouvia e fez um esforço para torná-la mais audível. Ouvia alguém que lhe chamava carinhosamente. Sentiu seu corpo relaxando e a terra se aproximando. O calor de mãos que afagavam seus cabelos foi uma sensação forte.  Invadiu-lhe uma onda de calor. E olhando firme para o horizonte, viu rompendo a noite outras cores, vibrantes e sons.... Melodias lhe chegavam... Relaxou... Assim, de súbito, abriu os olhos. Ao seu lado, sua mãe carinhosamente afagava seus cabelos e repetia. –Filho por onde andou? Desmaiou?... Ainda bem que vim chamá-lo para entrar. 

A chegada

A chegada


Ë uma viagem. Cheia de expectativas. Vão ao sítio. Marcia, o marido e seu filhos e os queridos netinhos.! Assim a camioneta, os outros carros, saem estrada a fora. E os garotos pedem sorvete, água, biscoito de chocolate... vários petiscos que eles adoram comer. Além de parar na estrada para o prato inesquecível. Tapioca de coco com café e leite condensado. Assim vamos.... Passam os lugarejos de sempre até chegar à nova estrada que foi construída, muito bem tratada, claro, principalmente face ao turismo nascente. Curvas, ora paisagem ressequida, ora verdes paisagens, depende da época do passeio:  Semana Santa, Janeiro, Julho, e outros meses durante o ano. Cada estação com sua cor e cada uma delas preenchida do prazer de estarmos juntos.
         Finalmente o sítio. Tira-se o farto material dos carros: roupas, comidas, brinquedos, jogos, variados materiais de pesca e coisas de praia. Ë um rebuliço!! Os meninos saem logo com a bola nos pés para jogar com a garotada das proximidades. De repente o campo se enche de risos e gritos de alegria, a bola rolando. São crianças dos mais variados tamanhos, não só pela idade, mas também pela estrutura física.  Os adultos entram e começam a organizar o lugar. As duas secretárias vão para cozinha e ajeitam a comida espalhada pela mesa grande. A avó, dispõe as coisas dos meninos. Os homens vão para o terraço para conversar e contar lorotas. É a chegada ao sítio.
Logo mais, as panelas estão no fogo. O Seu Jorge, já paramentado de sitiante, com chapéu, bermuda e botas, vai apanhar os limões, as laranjas, os sapotis, as mangas, dependendo da época do ano. Então, em pouco tempo, a bancada da cozinha fica cheia de frutas colocadas jeitosamente em grandes cestos. É uma fartura!
 A avó vai arrumando o quarto, sacudindo a roupa de cama e mudando lençóis e, toalhas, juntamente com as ajudantes.  O som é aberto e a voz solta e bonita de Fagner enche o ambiente de musicalidade ... Borbulhas de amor. É o frenesi da chegada.
         Lá no quintal escuta-se a voz apressada do caseiro perguntando se desejam água de coco? E assim a chegada torna-se colorida e agradável. Algumas horas depois, o assado de panela, a farofa com carne do sol e o feijão verde exalam um cheiro de comida gostosa, feita com o esmero pelas meninas da casa. Muito bom!
          Hora do almoço, na grande mesa verde, os pratos, copos, talheres e terrinas de comida saborosa, enchem de prazer a degustação familiar.

              Inesquecível.

Traída emoção

Traída emoção

                                                                         Regina Barros Leal
        
          Deitada Márcia pensava...
Essa angústia que me sufoca o peito e que me deixa perturbada diante de minha insensatez.  Pudera eu, nesse tempo de vida saber distinguir o cenário propício as minhas ponderações. Mas, é sobre essa tola divagação que me perco. Na circunstância percebo os olhares trocados e a espera de meu imaturo escorrego.  Ainda, a desventura de quem não sabe dissimular. Que sensação indefinível de perda, já que o intento que não se revestia de tamanha importância. Reconheço, faltou o equilíbrio necessário e a sabedoria da espera, perceber quando é possível o argumento, ter a atitude perspicaz dos sensatos.
    
       Certamente é uma dessas horas em que a realidade me sufoca e me transtorna pela convicção da traída emoção. Será que um dia transcenderei a minha imaturidade?  Não sei. Só sinto aquela sensação desagradável de não ter evitado os desacertos de quem não sabe calar no momento adequado e se deixa trair por uma emoção incontida.




Conforto

Conforto

                                                                            Regina Barros Leal

        
                  Dizia para si mesma. Seu conforto estava na crença do que fazia sentido em sua vida. Sim, fazia sentido mesmo o que parecia não ter. Buscar o sentido das situações, das coisas que acontecem é buscar o seu significado. Seriam a mesma coisa? Seria a essência?  Aí então percebia a incomensurável capacidade do ser humano em descobrir elos que parecem perdidos. Viver é jogar-se na plenitude do tempo sem esquecer a natureza do relativo e do finito. Como então sentir o infinito na compreensão do ser finito?  Como compreender o devir, o sendo, quando reconhecemos a consciência do tempo humano? O que fazer com o tempo se ele se reveste de uma dimensão não alcançável pela finita natureza humana?  Incógnita?

Conforta-me saber que não estou só na imperscrutável solidão desses pensamentos. A busca do sentido tem estado presente na existência do homem. O estar sendo. O devir.  Desconstruir para reconstruir significados temporais. Quem não busca? Por mais difícil que seja, o homem ao pensar sobre a sua existência, expressa um movimento, uma andança que pode ser uma trajetória de sonhos. Ou pesadelos?

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

O tempo do envelhecer

O tempo do envelhecer
                       
                               Regina Barros leal

Os olhos embaçados pela tristeza
O andar lento e temeroso 
Um rosto distante com fortes marcas do passado
O amor companheiro
O humor esgarçado
Pequenas fissuras nascidas da convivência
No cotidiano, o desalento do amor esmaecido.
O tempo se esvai e carrega tanto a dor, quanto a alegria
Os enormes olhos pretos e sedutores se foram
Transcendendo o hoje, ainda busco a magia da recordação.
Encontro o amado, o amante e os beijos apaixonados.
 A beleza da cumplicidade em cada gesto
O companheiro tão doce em mil situações
Rude no desatino da desesperança
Temperamental e amante ardente
O tempo passou, eu sei.

Ah! Mas os seus cabelos brancos me enternecem

Quem sou eu

Minha foto
Fortaleza, Ce, Brazil
Sou uma jovem senhora que gosta de olhar o mundo de um jeito diferente, buscando encontrar o indecifrável, o indescritível, o inusitado, bem como as coisas simples e belas da vida.